Milene Cauzin

por Sherif Awad

Milene Cauzin

-Minha família sempre foi muito tradicional e não admitia as “artes” como uma profissão, somente como um hobby. Comecei na dança, fiz ballet, jazz e integrei alguns grupos de dança, participei de vários Festivais e concursos. Amava o que eu fazia, mas não podia exercer como profissão. Mas no fundo a música sempre foi minha grande paixão. Me lembro de aos 3 anos de idade eu amava imitar as cantoras, me soltava, cantava e dançava pra toda a família. Aquilo me realizava.-Quem foram seus modelos de cinema, teatro, dança, TV durante a sua infância e adolescência?

-Na minha infância me encantei completamente pelo ator Mark Richard Hamill em O retorno de Jedi! Amava o filme, assim como o E. T. que também foi um filme que inspirou muito. Na dança e música minha grande paixão e inspiração sempre foi Michael Jackson, meu maior ídolo! Assim como Madonna, grande inspiração também.

-Foi a melhor coisa que eu fiz na minha vida! Só depois que comecei a estudar arte - teatro e música, é que comecei a amadurecer e a viver mais intensamente a minha vida e minhas realizações. A arte nos aproxima da nossa criança interior, do nosso divino, nos eleva e nos conecta com o outro de uma forma muito mais intensa e verdadeira.

-É satisfatório o que eu consegui até agora, mesmo não tendo alcançado uma posição de grande visibilidade, eu hoje já me sinto realizada com as pequenas conquistas que tive e com tudo que já aprendi. Continuo aprendendo a cada dia e me desenvolvendo sempre com muito amor e muito brilho nos olhos. Não tenho observado nesse momento nenhum grande desafio relacionado a gênero na minha profissão.

-Infelizmente a situação das artes no meu país sempre foi muito difícil e conturbada. Nesse momento ainda está pior. Existe pouco investimento em artes em geral e num país em desenvolvimento como o Brasil, as prioridades são outras e a gente precisa aprender a se virar e aproveitar todas as oportunidades (que são sempre muito raras), o que exige muito trabalho e persistência.

-Sou principalmente intérprete e ainda na me arrisquei como letrista. Mas participo em algumas criações de músicos amigos que me sinto muito honrada em interpretar suas canções independentes. Sempre promovo nas redes sociais e estou me preparando para começar a lançar alguns covers no Spotify, que é a mídia digital que mais me interesso.

-Sempre abordo de forma muito profissional, procurando dar o meu melhor pra acrescentar a minha emoção e interpretação à música ou qualquer trabalho que eu venha a exercer. Primordialmente trabalho com muita paixão, pois amo tudo que faço.

-Atualmente estou me preparando pra a gravação de uma música para um filme em que também vou atuar. Além disso, fiz recentemente algumas Lives de música, que tiveram um ótima repercussão. Além disso acabei de fazer um comercial que já está sendo veiculado em TV aberta e fechada por 3 meses.Como projetos futuros (que foram interrompidos pela pandemia) estão a marcação dos shows em estabelecimentos que já costuma fazer e alguns eventos particulares. Além da gravação dos covers para mídias digitais.